quarta-feira, 24 de julho de 2013

Bradesco revê expectativa para crédito neste ano

Brasil Econômico

Getty Images
Banco Bradesco

Depois de mais um trimestre de desaceleração do ritmo de crescimento das operações de crédito, o banco Bradesco anunciou ontem, juntamente com os resultados obtidos entre abril e junho, seu novo "guidance" para o crescimento do saldo das carteiras, que recuou para a faixa de 10% a 15%. O mais provável, segundo informou a instituição, é atingir 13%. Em março, a estimativa era de algo em torno de 15%. No primeiro semestre, o aumento do crédito foi de 4,4%. Ao determinar esses 13% para 2013, portanto, o banco espera dobrar o ritmo de aumento para 8,2% no segundo semestre.
De forma geral, os resultados vieram ligeiramente melhores do que as expectativas de boa parte do mercado. O lucro atingiu R$ 2,978 bilhões, em alta de 4% , e o ritmo de crescimento do crédito desacelerou um pouco menos do que o previsto: a carteira expandida (que inclui avais e fianças) terminou junho em R$ 402,517 bilhões. Isso representou 10,3% de aumento em relação a junho de 2012 - analistas esperavam algo entre 9% e 10%. No primeiro trimestre, o aumento em 12 meses havia sido de 11,6%.
"O crescimento do crédito acompanha o da economia. Revisamos nossas expectativas para crescimento do PIB, de 3,5% para 2,3%, e também as estimativas para o crédito", disse Luiz Carlos Trabuco Cappi, presidente da instituição, em teleconferência a jornalistas ontem pela manhã. "É uma readequação ao cenário", diz Luiz Carlos Angelotti, diretor de relações com investidores do banco. Angelotti lembra, porém, que algumas linhas, como o crédito consignado e o imobiliário, cresceram muito mais - em torno de 50% e 30%, respectivamente.
Veja também: Bradesco é o banco mais rentável do Brasil e EUA
Se o crescimento da carteira desacelerou, a margem financeira com essas operações, porém, mostrou recuperação, principalmente devido a queda da inadimplência, de 4,2% em junho de 2012 para 3,7% em junho último. A margem líquida de provisões aumentou de R$ 4,305 bilhões para R$ 4,540 bilhões, entre o primeiro e o segundo trimestre deste ano. Em junho de 2012, estava em R$ 3,955 bilhões. "A mudança de patamar nas provisões para devedores duvidosos é positiva e reflete uma mudança no perfil do tomador de crédito brasileiro", acredita Cappi. O Bradesco esperava alcançar o índice em dezembro.
O analista do BB Investimentos, Carlos Daltozo, considerou o resultado "consistente e sem surpresas", com destaques para a queda, pelo quarto trimestre consecutivo, na despesa de provisões contra calotes (-0,5% no trimestre) e despesas operacionais sob controle, com evolução de 4,1% ao ano. As ações do Bradesco reagiram bem aos resultados. Os papéis preferenciais, os mais negociados, chegaram a bater em R$ 29,18 e, mesmo recuando da máxima do dia, ainda fecharam em forte alta de 3,67%, a R$ 28,79.