segunda-feira, 10 de junho de 2013

Exigências ficam maiores para interessados em alugar imóvel no Rio

Para os interessados em alugar um imóvel no Rio, as dificuldades são cada vez maiores. Além de preços exorbitantes, o aquecimento do setor resultou em mais exigências na hora de assinar o contrato. Isso porque o proprietário tem mais candidatos para selecionar.

Entre os pedidos, há quem exija fiador com dois imóveis na cidade e renda do locatário três vezes superior ao valor do aluguel, dizem especialistas.

Já o metro quadrado chega a custar R$ 70, caso de Ipanema (zona sul). Em um imóvel de 150 metros quadrados nesse bairro, o custo para locação pode ficar em torno de R$ 10 mil.

A busca por uma casa ou apartamento também costuma ser desgastante.

"Há corretores que mostram um imóvel a 12 pessoas ao mesmo tempo. É como uma excursão", diz Leonardo Schneider, vice-presidente do Secovi do Rio (sindicato da habitação).

Para garantir a locação, os inquilinos já criaram estratégias. "São comuns os casos de casais que combinam: um vê o imóvel e o outro fica na porta da imobiliária com os documentos prontos para serem entregues. Se for o caso, eles se ligam durante a visita e fecham o negócio."

Em algumas regiões, os imóveis bem localizados e em bom estado de conservação chegam a ter fila de espera. É o caso, por exemplo, de apartamentos de um ou dois dormitórios em bairros como Ipanema e Copacabana, ambos na zona sul, e Tijuca, na zona norte.

TEMPORADA

Há proprietários que priorizam a locação para temporada. "Dá mais trabalho porque é preciso acompanhar de perto a situação do imóvel e ficar disponível para atender telefonemas e agendar visitas", diz Schneider.

Em compensação, é possível ganhar o dobro do valor pago em uma locação tradicional.

Para quem faz da locação um investimento, o especialista recomenda ainda optar por unidades menores.

"O retorno dos apartamentos menores é maior, além de ter a possibilidade de pulverizar o risco em mais de uma unidade."