quarta-feira, 29 de maio de 2013

Imóveis americanos têm maior alta desde 2006

Os preços das casas nos Estados Unidos subiram 10,9% em março, perante um ano antes, a maior alta desde abril de 2006. Já a confiança do consumidor aumentou acima do esperado em maio, mostram dados divulgados ontem.

No mercado imobiliário, um número crescente de compradores vem fazendo ofertas em meio a um estoque limitado de residências, puxando os preços para cima e ajudando na recuperação do mercado imobiliário.

O índice S&P/Case-Shiller de preços de casas mostrou ainda que todas as 20 cidades compreendidas no levantamento tiveram ganhos anuais pelo terceiro mês seguido. E os preços subiram em 15 cidades de fevereiro para março.

Ainda no comparativo anual, houve alta de 22,5% nos preços das casas em Phoenix, o maior ganho entre as cidades. Na sequência, apareceram San Francisco (22,2%) e Las Vegas (20,6%). A cidade de Nova York, por sua vez, registrou o menor aumento, de 2,6%.

Por sua vez, o indicador que mede a confiança do consumidor americano subiu de 69 em abril para 76,2 em maio, informou o instituto Conference Board. O resultado superou as previsões e é o mais alto desde fevereiro de 2008.

Os consumidores avaliaram de forma mais positiva a situação atual e as condições do mercado de trabalho. Eles também se mostraram mais otimistas com relação ao futuro da economia e com as perspectivas de emprego. O levantamento mostrou que a parcela dos que esperam uma melhora nas condições de negócios nos próximos seis meses passou de 17,2% para 19,2% e a daqueles que preveem piora caiu de 14,8% para 12,1%.

Ontem, as agências de notícias informaram que o presidente Barack Obama deverá substituir o presidente de seu Conselho de Assessores Econômicos. Para o lugar de Alan Krueger, que pretende voltar a dar aulas na Universidade de Princeton, Obama deve indicar Jason Furman, Ph.D pela Universidade de Harvard e atual assessor de Obama para política econômica e vice-diretor do Conselho Econômico Nacional da Casa Branca.